às seis da manhã
um poema me acorda

veio em sonho?
veio em palavra?

despertador exigente
ignora calmantes, anestesiantes e ressacas

às seis da manhã
quis falar, por mim,
uma voz

sem chico xavier
ou qualquer psicografia de Fernando Pessoa

às seis da manhã
um velinho rabugento
e lindo
me fez cafuné

Ele me pediu pra tomar café
ligar o computador
e lembrar do sonho
em que eu descia a inclinação lisa do escorregador
enquanto ele me olhava
e sorria

E, no sonho (o de agora e o de antes das seis da manhã)
Mário Quintana e eu

chamávamos
isso de
POESIA

produced from a subconscious without conscious awareness of the content  |  Jacarei  |  R.Cambusano

produced from a subconscious without conscious awareness of the content | Jacarei | R.Cambusano

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: