Primeiro não é nada.
Depois é um desconforto. Passa disso à saliência. Da cor natural, torna-se arroxeado. Cresce sem que você alimente. Incomoda, porque agora já dói.

Você tenta rompê-lo antes de seu momento, mas em vão. Inflama. Então vaza, pus e sangue.
E vem um alívio,
vem um descanso.
Assim me parece o verso,
assim eu sinto a poesia.

abcesso | Indianópolis | Francis Aguiar