Meditam os gatos, nas suas vinte horas diárias de sono. Meditam a velocidade dos insetos. O afeto quase gratuito dos grandes gatos que os alimentam e mimam. Meditam sem solenidade. Naturalmente iogues, encontram posições de meditação propícias ao encontro com o agora.

Acham o agora sem fazer esforços. Não tremem de ansiedade. Nem balançam as patas traseiras de um lado ao outro por insegurança. Reside na sabedoria instintiva do agora a permanência estável no mundo.

O mundo dos gatos é meditativo também por razões que nos são completamente desconhecidas. Sabemos sua anatomia, conhecemos sua evolução felina. Mas não os somos. No máximo, com eles aprendemos e a eles servimos.

crime-scene | Iceland | R.Cambusano

crime-scene | Iceland | R.Cambusa

 

sabino

Sabino’s present time | Indianópolis | Francis Aguiar