Parecia um cachorro disciplinado, porque vivia em coleira e corrente. Mas a coleira do cão também eram contos ferozes, caninos à mostra. Então colocaram sua coleira atrelada a um arame, enorme para as pessoas, minúscula para ele, cachorro. Sim, ele podia correr, mas tinha que correr e voltar, voltar e correr, correr e correr, correr e ficar ou perder-se correndo quase sem lado, queria ser sem arame. Durante a semana tinha sempre osso duro de roer, ficava ao alcance da boca, sem limite de arame. Doía roer, mas que jeito? O sábado, às vezes lhe garantia uma carne rija, carne cheia de veias de sangue, e aquilo era bom. Mas ficava muito na ponta do arame, quando o cachorro já tinha de se esticar demais e estava cansado. De uma mordida, escorregava de volta pelo arame para debaixo da árvore, cheia de ossos e folhas verdes na copa e amareladas no seu chão.

cão sem cólera | Indianápolis | Francis Aguiar

PeeWee

PeeWee | Bauru | Luciana Franzolin

where-is-my-bones-bitch | London | R.Cambusanowhere-is-my-meat-bitch | London | R.Cambusano

Rest in Peace, my friend Johnny | Atibaia | Jaime Scatena

dsc_0015

1

dsc_0019

-2

dsc_0027

-3

dsc_0035

-4

dsc_0007

-5 

 five sketches over a primary text | Curitiba | ygor raduy