Eu te amava, Carolina. E acreditava, fiel como um escudeiro burro, que isso bastava para existirmos. Eu te amava, Carolina. E, como um empregado fiel, seguia a rotina dos teus hormônios. Eu te amava, Carolina, crendo que nisso residia tudo que era minimamente necessário. Eu te ama como um ingênuo. Como um hipócrita, que culpa a crise e não se responsabiliza pelas próprias incosequências. 20130126-101446.jpg 20130126-101503.jpg Looking for #Love | New York | Jaime Scatena where is it | London | R.Cambusano where is it ? Look up| London | R.Cambusano

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: