Fwd: o que é isso que chamamos de cidade?

Scroll down to content
Andarilho | Sao Paulo | JKScatena
Andarilho

Não sabemos completamente o que é uma cidade. É possível saber? Este projeto nasceu exatamente para perguntarmos. O formato foi pensado para abrir espaço para o espanto. Percorrer andando as cidades não é um hábito novo, sabemos. Peripatéticos, situacionistas, andarilhos anônimos – muitos conhecem a experiência de percorrer o espaço público ao redor de onde se habita ou se passa.

O conhecimento advindo do percurso é um questionamento que, pelo menos para mim, nunca cessa. Se pensarmos no formato deste projeto vamos entender que ele tenta organizar de alguma forma muito singela esta experiência. Ao propor o registro ou construção artística, como queira, da cidade, propomos a captura, o congelamento e, ao mesmo tempo, o espanto e a criação. Podemos perguntar por que registramos.

Por que congelamos? Por que recriamos?

a cidade é um livro
teletransporting

Por que congelamos? Por que recriamos? Podemos também fazer o exercício que propõe. Confesso que já andei embebida de espanto pela cidade muitas vezes. Hoje eu prefiro fotografar. É a forma em que consigo melhor mediar esta experiência. É como eu elaboro e me coloco mais conscientemente perante a cidade. Pode ser uma forma de simplificá-la, de lê-la, de inscrever-me nela. Pode reduzir muito o que a cidade é. Mas creio que o que me interessa é a parte, são os vestígios de um todo no qual me inscrevo. Se a entendo? Se creio ser possível se aproximar de seu centro? Não, nem creio em centro. Nem creio que haja em nós, observadores-habitantes-peregrinos, uma unidade estável e coesa capaz de supor uma ordem no caos da cidade.

Quando tentamos dialogar diariamente estamos suspendendo o tempo do espanto, extendendo-o ao infinito. Eu olho para São Paulo como uma estrangeira. Como olhei assim para todas as cidades em que morei – Porto Alegre, Foz do Iguaçu, Londrina, Buenos Aires. (Veja como os nomes das cidades ajudam a entender alguma coisa, mesmo que não sejam totalmente coerentes e contenham sua complexidade). E o espanto aqui no Multigraphias é potencializado porque o que eu vejo nas minhas cidades é seguido de outros espantos propostos por outros olhares que me mostram outros cenários (urbanos e subjetivos).

Por que chamamos a teia complexa de cidade?

Por que mapeamos no espaço nossa atuação. Escrever “Gabriela Canale (São Paulo)” como legenda de uma foto é apontar autoria e localização geográfica. Poderíamos facilmente substituir o nome da cidade por uma referência de geolocalização, por exemplo: “Gabriela Canale ( -21º 8′ 37″ S -50º 25′ 33″ W)”.

Eu fotógrafo | São Paulo | Jaime Scatena
Eu fotógrafo logo existo
Ass: G.Canale

O fato é que existe um nome para o território em que me desloco todos os dias. E ele foi batizado, o que é também uma ficção. Chamar de São Paulo este lugar é aludir a uma parte reduzida e recente de uma multimilenar história. O nome ficcional não importa tanto, não creio que ele aprisione nossa percepção. Da mesma forma que assinar Gabriela Canale é aludir a uma ficção batizada pela minha mãe. Não é o nome cidade que reduz a experiência de percorrê-la, fotografá-la e compartilhá-la. Os nomes das cidades e os nossos, seus leitores, são ficções que acrescentam elementos nas narrativas que temos construído quase todos os dias.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: