Etiquetas

,

Eu sou um artista em Construção pois ainda estou construindo meu artista dentro de mim.

Que tipo de Artista eu quero ser? Que tipo de arte eu vou fazer?

sublimar subjetividade e vestir a experiência em primeira pessoa do outro

afirmamos que o plágio é o verdadeiro método artístico moderno. O plágio é o crime artístico contra a propriedade. É roubo, e na sociedade ocidental o roubo é um ato político.

sublimar subjetividade e vestir a experiência em primeira pessoa do outro

“Hoje não há uma única expressão de desafio a ser feita. Tudo já foi feito, a única coisa possível é adicionar ironia a um discurso decadente através da repetição de atos individuais isolados da tradição de vanguarda – e executados com plena consciência de sua futilidade. Nada pode ser levado a sério – e isso é particularmente verdadeiro em relação a afirmações que implicam que não é mais possível ser sério”. (HOME, 2004, p. 63).

Eu quero ser exatamente aquilo que serei, sem tirar nem pôr.
Criarei tudo o que minha arte mandar sem questionar porquês.
Meu tipo será aquele que será copiado e plagiado por gerações vindouras… sem ser levado a sério.
Sério! Sério, nada!, rio agora e sempre.
Meu tempo será o hoje, o amanhã e o eterno. Virá do passado, será o futuro. Deixará os presentes.
Serei tão somente aquilo que respirarei, comerei e vomitarei: tudo aquilo que verei, ouvirei e sentirei.
Rei.
Aprendo com outros e da água-sangue deles bebo minha ins-piração,
Enquanto do meu sangue-rio bebem eles também.
Em quanto, rio, choro. Sem prender lágrima alguma tiro os nós de minha garganta-voz. Vossa, voz.
Plagiarei, eu também. Sem pudor.
Plagiarei o m’Eu também com orgulho e vergonha.
Usarei. Rei. Copiarei. Rei.
Significarei. Rei.
Signo. Rei.
E isso será minha Arte. Só isso… Só.
O Pecado será pago com minha solidão no meio de Todos.
Serei (só) des-Pudorado, (com) des-Mascarado, (todos) des-Respeitado e des-Mistificado.
Serei Mito. E isso agora está escrito.

Edit my profile | Atibaia | Junior Amojr Alguém disse: “Vivemos em um tempo estranho, onde ser ousado e original é um clichê em si…”                                                                                                                                                                                                                                                 Digo que as minhas incertezas tem sido meu norte, muitas são as minhas aflições. Se de fato não há nada encoberto que não venha a ser descoberto e a boca fala do que o coração esta cheio, então quero que me descubram um “artista” sincero… mas que a minha sinceridade não me mate de fome.

Phelipe Aquino | Atibaia | Phelipe Aquino

Pedia Raul Seixas : “Quero a certeza dos loucos que brilham. Pois se o louco persistir na sua loucura, acabará sábio.”
E assim sou, aproveitador aquilo que é útil, dentro de tanta inutilidade que esse mundo metamorfósico nos oferece!
Percebo que algumas verdade compreendidas são desvendadas por mentiras que copiamos uns dos outros, copias essas necessárias para o surgimento de novas ideais!
Assim como disse Pàblo Picasso: “A arte é a mentira que nos permite conhecer a verdade.”

Já aprendi, criei, plagiei, extravasei, errei, me orgulhei e gostei muito de tudo isso – por isso vivo repetindo

Cities in dialogue:

  • Texto 1: Reflexões artísticas I | Atibaia | Jaime Scatena
  • falling into the best of me (my own kingdom) TESTING Beauty and KITSCH TOGETHER | Rolante e POA | Gabriela Canale
  • Estratégia para responder a instituição Arte ( sublimar subjetividade e vestir a experiência em primeira pessoa do outro ) |Curitiba | Marlon Anjos
  • Isto agora está escrito (Projeções artísticas I)| Multigraphias | Jaime Scatena
  • Edit my profile | Atibaia | Junior Amojr
  • Phelipe Aquino | Atibaia | Phelipe Aquino
  • flôres de plástico nāo tem cheiro  | Jacarei 1959 | R.Cambusano