Me diz o que você pensa , me diz onde você foi.

Scroll down to content

A e B estão numa mesa de bar às 4 da manhã. Um pouco bêbados.

A: Me diz o que você pensa

B: O que eu penso sobre o quê?

A: Não sei, apenas diga. O que você pensa?

B: Não entendi sua pergunta.

A: Não é pra entender. É pra responder.

B: Bem, eu penso que… Eu penso muitas coisas.

A: O quê, por exemplo?

B: Eu penso sobre a morte.

A: O que pensa sobre ela?

B: Penso que morrer deve ser suave.

A: Descreva isso. Suave como?

B: Morrer deve ser de uma suavidade. Como apagar-se, deixar-se, dissolver-se numa substância branca. Talvez seja  um envolver-se, um devolver-se, um diluir-se.  Um repousar. Imagino a morte aveludada, tranqüila, apenas um ir em direção…

A: Em direção a que?

B: Não sei.

A: Eu também não sei. Será que o garçom sabe?

Chamam o garçom (G). É um senhor grisalho. Perguntam a ele para onde se vai depois da morte. Ele faz uma expressão séria, como se aquela pergunta o ofendesse. Mas depois diz:

G: Essa é a pergunta que ninguém sabe responder, rapazes. Eu acho que não se vai a lugar algum. Temos apenas essa vida. Essa conversa de vida após a morte é besteira. Aproveitem aqui, porque depois não há nada. Carpe diem. Vão querer mais uma cerveja?

O garçom retira-se. A e B ficam em silêncio, pensativos. As palavras do garçom parecem ter exercido um forte efeito sobre eles.

B: Mas então, se não há nada depois… Se temos apenas esse tempo tão pequeno aqui… Toda a coisa muda de figura, não é? Estamos acostumados a pensar num depois, mesmo sem saber. Mas se considerarmos seriamente que não há nada depois da morte, nem céu, nem deus, nem inferno, nem julgamento, então…

A (curioso): Então o quê?

B: Então podemos fazer tudo!

A: Por exemplo?

B: Sei lá, sair pelado na rua, desistir do doutorado, gritar, mudar de sexo, comprar um megafone e dizer, do alto de um prédio: “Viva o Quintana! Viva a Gabi! vocês são todos burros, feios e não morrem nunca!”

A: Você está bêbado.

B: Bem, foi você que veio com essa perguntinha afetada de “o que você pensa?” Agora agüente. Mas ouçamos de você, doutorando em Filosofia, oh, ouçamos com atenção – o que é que o senhor pensa? Onde é que o senhor pensa que vai?

A gargalha ruidosamente. Não consegue parar de rir. Todos os clientes do bar olham. Cinco minutos depois, quando o riso vai acabando, B insiste.

B: Pois então, senhor Filósofo. O que o senhor pensa?

A assume uma expressão grave, como se fosse dizer algo profundo e definitivo sobre a existência:

A: Eu penso que devíamos pedir a conta, ir pra casa e trepar até não agüentar mais.

B: Pois não é que é uma boa idéia!

Os dois, em uníssono:

A e B: Garçom, a conta!

O que pensei e o que penso | Atibaia | Jaime Scatena

Cities in dialogue:

  • Photo 1 (Fuga Em Picadilly  |   London   | R.Cambusano)
  • Text: (O que você pensa? | Curitiba | Ygor Raduy)
  • Photo 2 (Fui ao maps procurando me achar | Curitiba | (CSRF.) Cesar Felipe Pereira
  • Colagem (te conto por onde eu estive – Porto Alegre – Gabriel Canale)
  • Collage 2 (parenteses de mapa – Porto Alegre – Gabriela Canale)
  • GIF 1 (Eu faço, logo existo em alguém e para isto sempre vou ao não lugar… | Franca | Tiago Spina)
  • Photo 3 (Portou-se com indiferença, passei do seu lado | Curitiba | Marlon Anjos)
  • Photo 4 (Portou-se com indiferença, estou do seu lado | Curitiba | Marlon Anjos)
  • Drawing (O que pensei e o que penso | Atibaia | Jaime Scatena)

One Reply to “Me diz o que você pensa , me diz onde você foi.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: