Sombras das Coisas e Cores das Sombras

Scroll down to content

Nas cores há sempre as sombras.

Junto ao pé das coisas habita

logo a mancha delas, pousando em tudo.

Mesmo em movimento, a silhueta das coisas

estende-se, alonga-se, diminui-se,

um espectro a distorcer-se contorcionista

(a sombra faz as coisas dançarem).

Nos rostos, os sulcos mancham o desenho dos traços

e maculam a juventude anterior.

A sombra de tudo é o exato desenho das curvas dos corpos

e é ainda o que segue – quando não anda a frente, adiantada no passo.

De dia ou de noite ela vive nos cantos das cidades,

paira sobre e sob tudo,

entra nas coisas, nas gentes, sem licença.

Cidades | artistas em Diálogo: foto 1 de Gabriela Canale (São Paulo); foto 2  e texto de Ísis Fernandes (Berlim); foto 3 de Luciana Franzolin (Londres); fotos 4 e 5 de Ygor Raduy (Londrina).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: